SEGUIDORES DE CAMINHADA

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Pelejando com as Palavras




                                                                                                                                    - Como vai?
                                                                                                                                    - Vou pelejando.   


                                     
Vi muitas coisas neste mundo, nesta vida de encantos e desencantos. Vi a semente desabrochar da terra; o arco-íris colorir a atmosfera...

Em minha infância pisava sem querer nos espinhos, nas relvas, onde procurava com meus pés descalços sentir o frescor da terra.

Ainda fito as estrelas e ouço o cantarolar dos pássaros.

É a vida que se entrelaça em suas multifaces.

Vida que abraça todos os desejos, como o sol que ilumina todos os seres.

Vida na qual cabem infinitas perguntas.

Vida que nos abriga, com ou sem perguntas; com ou sem respostas.

Nos tempos de menino, lá nas roças que me deixaram saudades, ouvia as pessoas dizendo quando se cumprimentavam:
- Como vai?

E a resposta mais comum vinha assim:
- Vou pelejando.

O verbo pelejar, que significa luta, batalha, caiu em desuso, muito embora espelhe a realidade fiel de quem o pronuncie. E corretamente, no gerúndio, eis que  dá a ideia de ação, de movimento, como é a vida.

As formas de expressão da linguagem podem sofrer mudanças e isso é progresso, mas as batalhas continuam sendo ingredientes para fazer o homem amadurecer.

Em qualquer circunstância que estejamos e em qualquer tempo a vida será sempre uma peleja, porque sempre haverá batalha dentro de nós..., e nunca foi diferente.

Diferentes, são somente as palavras.


                                                                                                                        Evaldo de Paula Moreira
                                                                                                                        Reflexões


7 comentários:

Cecília Romeu disse...

Olá amigo Evaldo!
Que bela surpresa!
Fico imensamente feliz, e que postagem mais bela!

Aqui no Rio Grande do Sul, usamos no mesmo sentido do "pelejando" o ou a "peleia", para nós daqui, assim, com sotaque espanhol, fruto da nossa mistura com los hermanos. Então, dizemos que estamos "peleiando" hehe

E essa vida é mesmo uma "peleia da grossa"! Outra expressão daqui. E no demais, as palavras, palavras que nos constituem, e também são vida.

Grande abraço, amigo!

Elisa T. Campos disse...

Oi
Caro amigo Evaldo.
Fiquei feliz com a sua volta. Seja bem vindo. E veio com uma linda postagem.
Desde a ilustração com as palavras em movimento concretista. Criatividade nata de um poeta com o seu jeito mineiro de ser. Alegre e bem humorado.
Falar de relvas, pássaros, estrelas e arco-íris, palavras multifacetadas com sabor de infância .Me fez rir.
Aí como no Sul , conforme disse a Cissa é pelejando.
Aqui é batalhando. Tô batalhando, tô na labuta. O jeito minerim de ser sempre me encanta. Outro dia encontrei um casal na padaria aqui perto de casa dizendo ser mineiros e que a rotatória de um cruzamento se diz um queijo . E faz todo sentido, pois parece mesmo um queijo.

Adorei. E assim é a vida. Vamos pelejando.Vamos no batente.

Um grande abraço.
Uma linda semana.

Trocyn Bão disse...

Olá amigo
Uma semana com muita paz pra ti e todos os seus

Abraços,
Trocyn Bão - Thiago

Elisa T. Campos disse...

Oi amigo Evaldo.
Estou sentindo a sua falta. No mês passado falei sobre uma conterrânea sua , de seu jeito mineiro de ser do blogue "Minas de Mim" e neste final de semana um haicai da nossa amiga Cissa.
Aguardo. Espero que esteja tudo bem.
Dias iluminados para você e toda família.

Um grande abraço.

Ana Cecilia Romeu disse...

Caro amigo Evaldo,
vim deixar um grande abraço!
Pois ainda não acredito que suas postagens estão em pausa, embora entenda.

Ótimos dias para ti e tua família!

Ana Cecilia Romeu disse...

Evaldo, meu caro!
Vim agradecer imenso por suas palavras lá no meu espaço virtual. Palavras sempre muito inteligentes e sensíveis. Meu muito obrigada!

Grande abraço para você e sua família e um excelente fim de semana!

No aguardo de uma nova publicação sua!

Nouredini.'. Heide Oliveira disse...

Olá Evaldo,

poderia dizer EUvaldo, pois sua escrita é plena da presença do seu EU verdadeiro.
Gostei da prosa maneira e da alma de criança ainda presente, mesmo quando o relógio do tempo nos diz o contrário.
Tomei a liberdade da visita vindo lá do Rendadebirras da minha querida Dilita e entrei sem bater...rsrs
Deixo o convite para quando quiser dá uma passadinha no cafeebolinho.blogspot.com onde assassino a lingua bebericando cafezinhos e resenhando os meus dias.
Votos de harmonia.