SEGUIDORES DE CAMINHADA

domingo, 3 de julho de 2011

Curtindo a infância.



Quando recebíamos visitas vindas de outros lugares também chamados de Córregos era sempre uma alegria. Morávamos no Córrego São Pedro. Não faltava brincadeira, para estender a alegria.

Havia uma família de parentes nossos que nos visitavam e moravam no Córrego Alegre. 

Chegavam de charrete e a cavalos. A recepção era na casa grande da minha avó e de alguns tios e tias, ainda solteiros.

Juntávamo-nos com a criançada do lugar mais as visitantes. 

Meninos e meninas tinham suas brincadeiras, e trocávamos as novidades.

Admirávamos as meninas que sabiam fazer peças de barro, secadas ao sol.

Simples, rudimentares, porque eram feitas por mãos pueris.

Mas ficaram marcadas no tempo essas gostosas lembranças, de convivência, na infância.

Talvez seja por isso que aprendi admirar mãos artistas que modelam tão belas peças de cerâmica, ou de madeira, ou de metal, e tantos outros artesanais.



Brasília, 02 de julho de 2011.
Evaldo de Paula Moreira
Contos de amor