SEGUIDORES DE CAMINHADA

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Esse papo é bom - III



                       Os aros e as circunferências da vida - reflexões


A vida é feita de aros, Gina.

-Como assim, Jorge?

A gente nasce, morre e parece que voltamos de novo. É um aro.
Cumprimos nossas tarefas diárias e no fim voltamos para o descanso. É outro aro.
A Terra, os demais planetas, as estrelas, têm formas de aros.

- Não é melhor dizer circunferência? Fica mais bonito, Jorge.

É apenas uma metáfora, Gina. Quando penso em aro, penso que ele pode ser um pouco irregular. Lembro-me das brincadeiras com vários tipos de aros quando era criança. Brincava tanto que eles até entortavam.
A Terra não é exatamente redonda, muito embora se pense nela como círculo perfeito.
Da mesma forma é o aro. A gente pode brincar até ele entortar que continua sendo aro. Aro de brinquedo.

- Pois é! Estamos acostumados a pensar nas medidas exatas e, a Terra, além de não ser perfeitamente redonda faz um movimento elíptico em torno do Sol, ajudando a gerar as estações diferentes, do ano.

Plutão faz uma órbita meio maluca em torno do Sol.
E assim vai a vida. Dá muitas voltas, tem muitos aros, mas... Nem tudo é brinquedo.

- Parece justo. É bom saber que os aros existem. Você lembrou bem, Jorge. Desse modo não precisamos ver tudo com a rigidez exata da circunferência. É a matemática da vida, que pode também ser maleável.




Juiz de fora, 23 de novembro de 2011.
Evaldo de Paula Moreira
Reflexões – aros da vida

7 comentários:

Cecília Romeu disse...

Evaldo, tudo bem?
Maravilhoso! Diálogo e metáforas perfeitos!
A vida é feita de aros mesmo,irregulares de diferentes tamanhos mas que andam como círculos, sempre voltando a pontos anteriores, às vezes avançando, mas em velocidade também irregular.
Parabéns e ilustração muito boa também, um tanto de cubismo.

Grande abraço e ótimos dias :)

Bento Sales disse...

Olá, sábio amigo Evaldo!
Sua figuração é perfeita para analisar o mundo e a vida.
Se nascemos, crescemos, reproduzimos e morreremos, isso é um ciclo e ciclo também é um aro. E mais: se viemos do pó e para o voltaremos, também é um aro. Tudo se encaixa perfeitamente em sua tese.
A didática da argumentação é valorosa, pois qualquer pessoa é capaz de apreender.

Parabéns pela genialidade!

Abraços!

Cecília Romeu disse...

Evaldo,
passei para agradecer o comentário, sempre muito inteligente e valoroso lá no Humoremconto. De fato, me acrescentam muito.
Excelente fim de semana, amigo, para ti e família!

Jaime Guimarães disse...

Oi, Evaldo, tudo bom?

Ah, a Terra não é redonda??? Eu já desconfiava disso! rsrs

Brincadeira. Muito boa sua reflexão, sábia de verdade. Isso tudo me fez até lembrar daquele maluquinho do Nietzche e sua teoria sobre o "eterno retorno", um dos assuntos preferidos também de Borges, nuestro hermano argentino - a ideia dos ciclos aos quais estamos submetidos, a criação dentro da destruição, essas coisas.

Gosto mais do Taoísmo, que diz logo que tudo é fluido. Logo, para que dar murro em ponta de faca o tempo todo, não é?

Um abraço! E obrigado pela visita e comentário lá no meu humilde blog! :)

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Sublime seu texto, Evaldo. Realmente se pode viver sem muita exatidão. Ela, a exatidão - buscada nas respostas, nas perguntas, nos pareceres, etc. - é que tem sido o verdugo do homem e da mulher modernos. É só a esquecermos um pouco que viveremos mais felizes mesmo.
Parabéns pelo belíssimo convite à reflexão, Evaldo. abs

Celina Dutra disse...

Evaldo querido,

Belíssimo texto! Vamos entortar um pouquinho nossas circunferências tornando-as aros e vamos ser felizes como as crianças.
Girassóis nos seus dias. Beijos.

Ma Ferreira disse...

Oi Evaldo..amei sua metáfora.
A vida é feita de aros..aros irregulares, aros móveis e maleáveis até certo ponto.
Tudo colt ao recomeço, mas nunca em forma regular.
Perfeito.
A imagem...emoldura sua escrita lindamente!!
A cada dia vc se supera!

Um beijo..