SEGUIDORES DE CAMINHADA

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Esvaziar-se - Reflexões


Esvaziar-se
Meu dia se apresenta atemporal.
Eu sou eu agora, olhando para mim mesmo e me indagando muita coisa.
Apertado na soma do que se passou em todo o meu ser.
Cobrança de mudança que não tem fim.
Horizonte distante para seguir na minha busca. Desejo apertado, para atingir metas que assombram em descobertas, ao saber que em cada dia não sou o mesmo eu de ontem.
Sim, sou eu sim, impotente em sair do meu lugar que me incomoda, porque já não sou mais o que já fui, mas que não sabe o que mais ser, alem de atrapalhado comigo mesmo, pois não posso esquecer os valores já incrustados, caminhos escolhidos, milenarmente ensinados.
Esbarro em mim mesmo, ao ver que ainda preciso muito treino porque a prática perfeita está muito além das palavras mal ouvidas.
Vivências, que mostram a impossibilidade do que é preciso ser em curto prazo.
Resta apenas viver, num emaranhado enorme de proposições que quase todos os dias falamos e ouvimos, mas que não passa de um cerco difícil de romper para seguir adiante, sem verdade absoluta, que nos faz agarrar em defesas para sobreviver. E, entremeio a tudo isso vou seguindo esse destino, equilibrando na balança que criamos para seguir. Ser justo, sempre justo. Amigo, sempre amigo. Amar, sempre amar. Perdoar, sempre perdoar. Ajudar, sempre ajudar. Mudar para melhor, ser sempre melhor. Conhecer cada vez mais e em cada conhecimento saber que não somos os mesmos. Já vimos que o mundo pode ser diferente, porque já somos diferentes. Seria bom todos crescermos juntos em solidariedade. Sem atirar a primeira pedra, porque já houve Quem nos desafiou a fazê-lo, há muitos anos, porque sabia da dimensão do ser humano até atingir a pureza.  Sabia o quanto existe em nós para remover, de nossas montanhas de imperfeições.
O consolo é saber que podemos perdoar. O caminho é o da fraternidade. O ser consciente é o que conhece a si mesmo. Só então saberá que é verdade e necessário amar. Sempre, sempre, sempre, porque é difícil esvaziar-se das próprias pedras, sem macular alguém. Sem entendermos o significado do que é amar, estaremos apenas andando em periféricos conhecimentos, que nos mantêm estacionados.
Isto é apenas uma busca. Trilha. Entre tantas.



Juiz de Fora, 27 de fevereiro de 2011.
Evaldo de Paula Moreira
Reflexões.

2 comentários:

Ana Aitak disse...

Parece que essa semana é tempo de reflexão. Sempre é bom exercitar essa nossa habilidade de questionar o mundo e a nós mesmos. Obrigada pelas visitas ao blog.

Abraços

V.Cruz disse...

Interessante que passei o feriados todo arrumando gavetas, mudando os moveis de lugar e refletindo sobre esse assunto, quem sou Eu, para onde vou e como pretendo chegar, porque ate mesmo de onde vim, nem interessa muito, já estou aqui e isso, agora, me basta...