SEGUIDORES DE CAMINHADA

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

NÃO SONHE NÃO...frase no filme...



Filme “Mauá, O Imperador e o Rei”. Dirigido por Sérgio Rezende. Ator, Paulo Betti (interpretou Irineu adulto). 1999.

Parte do diálogo, no filme, entre o senador Visconde de Feitosa e o jovem Irineu Evangelista de Souza, futuro Visconde de Mauá:

- Eu nunca tinha visto um caixeiro que pensasse. Diga-me uma coisa rapaz, se você fosse Deus, o que é que você daria ao Brasil? Ferro! -Ouro não seria melhor? Já tivemos ouro demais e não prosperamos. -Só ferro, então? Ferro, carvão, indústrias, livre comércio e meios de transportes pra fazer circular toda essa riqueza. É com isso que eu sonharia, Visconde.
- Esse país tem um Imperador e todos os sonhos devem subordinar-se ao sonho do Imperador. Eu vou lhe dar um conselho, rapaz... Sincero: não sonhe não. Viva. Vá fazer os seus negócios e procure ganhar dinheiro se for possível. Esta é a melhor maneira de você servir ao país e de não viver um pesadelo.

Breve comentário: Irineu Evangelista de Souza nasceu em Arroio Grande, RS, em 28 de dezembro de 1813, faleceu em Petrópolis, RJ no dia 21 de outubro de 1889. Otimista, lutou contra todas as adversidades que se lhe apresentaram. Teve derrotas, impingidas pela inveja humana, mas jamais perdeu a certeza de que seus objetivos, sua crença num Brasil livre e produtivo, com o suor de todos, pudesse trazer justiça e satisfação para toda a sociedade.
Foi muito espezinhado pelo Império, embora respeitado como trabalhador honrado, inteligente, progressista e abolicionista desde jovem e o primeiro grande empresário brasileiro, realizando grandes façanhas e sempre querendo bem ao país.


Juiz de Fora, 12 de janeiro de 2011.
Evaldo de Paula Moreira.

2 comentários:

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Evaldo, ainda não assisti ao filme, mas de fato Mauá foi desses homens que não passaram em vão pela vida. Ele não apenas sonhou, como também teve todos os seus sonhos realizados, e mais, cravou-se na História Brasileira.

Parabéns, Evaldo, pelo capricho da transcrição do diálogo.
abs

Tais Luso de Carvalho disse...

Evaldo, não vi o filme, mas não seja por isso que não vou dizer que nem sempre é bom sonhar: conforme o sonho, o tombo é tão grande... Já sonhei tanto, e por 20 anos sonhei sonhos de ver um país melhor, e o tombo foi enorme, amigo! Desde então procuro não sonhar... Apenas vou levando, tendo a sensação de que vivo num mundo de faz de conta.

Tais luso