SEGUIDORES DE CAMINHADA

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

DESENHO COLORIDO

O QUE FAZER?

Vida!
Qualquer vida que eu siga, é a vida que dou conta de seguir.
Se a trilha que eu vir, eu seguir, só a seguirei porque a vi.
Este mundo que me cabe, cabe todo mundo.
Se aos outros mostro um novo mundo, não é outro esse mundo, senão meu particular mundo.
Ah! Vida.
Chega de me dizer o que fazer.
Deixa-me viver, o meu próprio querer.
Já sei o que é sofrer, já sei o que é saudade, já sei o que é a mentira, já sei o que é sorrir.
Não me enganes com o dizer que há mais o que saber, porque sei que há.
Vida, vida!
 Tu és rosca sem fim! Tal qual grande loja de roupas, com tantas para escolher.
 Meu guarda-roupa, entretanto, é pequeno, porque leva tempo ter que lavá-las e trazê-las de volta para usá-las, ou comprá-las e nem usá-las.
Contenta-te, vida, com minha aparência e obrigado por tudo que me ofertas. Não desprezo tua oferta, porque agora já sei que não posso usar tantas, delas, de uma só vez. Quando puder, espero saber usá-las.
Ofereça-as, vida, a quem as sabe usar e acredite precisar.
Deixa-me abastar com minha pequena mochila do saber, contanto que sinta seguro e crente no que fazer.

Juiz de Fora, 15 de agosto de 2010.
Evaldo de Paula Moreira
Poesia de Amor