SEGUIDORES DE CAMINHADA

sábado, 25 de setembro de 2010

POESIA - LIBERTAÇÃO


Libertação.

Na solidão da alma; na quietude do sofrer desencanto, somos tal qual semente que emerge do “sulco da terra”, a abrir-se em dor, libertária da flor.

Se o mundo é desencanto,
não haverá ninguém melhor do que ela, flor,
a recompor perdido encanto.

Somos a flor, a semente, primeiro,
que rompe o solo, chão duro ou macio,
da vida entrelaçada, com a dor e o amor.

 *****************
Juiz de Fora, 25 de setembro de 2010.
Evaldo de Paula Moreira
Poesia de Amor

Nenhum comentário: