SEGUIDORES DE CAMINHADA

quinta-feira, 15 de julho de 2010

POR FAVOR, ACENDE A LUZ...


Ei!
Alguém aí?
Tá escuro aqui.
Ninguém ouve...
Por que será, hem?
Sei que tem gente aqui.
Que voz é essa, falando baixinho?
“Fique quieto, não fala alto não.”
Quem é, hem?
“Apaga essa luz, aqui é a treva, saia daqui.”
Mas, por quê? A claridade não é melhor?
“É para você, mas para quem vive só na treva, não.”
Como, assim?
“Eles não a conhecem”.
“Estão atrelados a controles coletivos”.
“Há os que lucram com o aumento do cardume”.
“É por isso que a educação é pouca por aqui”.
“Usam drogas com liberdade, é mais fácil fazer tudo escondido...”
Ora, que absurdo! Mas por que ninguém faz nada?
“Faz, sim, você é que não vê”.
“O problema é que é difícil achar o caminho certo”.
“Alguns acham que é preciso matar, outros que é prender”.
“Há os missionários que ficam pregando religião o dia todo”.
“Até agora, nada resolveu. Quase ninguém liga, pode até matar”.
Mas, por quê?
“É preciso saber provocar o desejo. Desejo de Ser, Desejo de Ter”.
Mas..., não é fácil avisar isso prá todo mundo?
“É? Faz, então! “Bobo!”.
“Nunca leu sobre o Mito da Caverna, de Platão”?
“E sobre a obra do Schopenhauer: O Mundo como Vontade e Representação?”
Li só um pouco. Estou tentando entender isso melhor.
“Não adianta coçar a cabeça!”.
Mas, eu queria ajudar...
“Então, corre. Publica no seu Blog”.
“Quem sabe alguém lê e resolve te ajudar? Tem pessoas fazendo isso, junte-se a elas”...
“Isso é uma luta de poderes”. “Luz x Treva”.
“E, todo mundo pode desenvolver as duas coisas dentro de si”.
“É preciso políticas públicas, e melhor visão da iniciativa privada, criando espaços para a população desenvolver o lado positivo da vida: as Artes, o Esporte, são exemplos. É preciso fixar minhoca na ponta do anzol para atrair o peixe. Se a luz faz isso, pouco, a treva está lutando para ocupar os espaços. Ganha a parte que trabalhar mais. Não pode parar. A população está sempre aumentando. É uma luta de balaio contra balaio. Quem sabe mais, pega mais peixe. Um não vai ajudar o outro”.
“Saia logo, daqui”!
“Esse não é o seu balaio”.
“Está me atrapalhando”.


****

Juiz de Fora, 15 de julho de 2010.
Evaldo de Paula Moreira
Poema de Apelo.
****
****

2 comentários:

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Uma lind'agoni'aconselhável. Forma mágica d'apelo. Maravilhoso estilo d'escrever uma peça-relâmpago, Evaldo. Teatrável, por demais!
Parabéns por mais essa.

abs

Evaldo disse...

Caro Balestra.
Obrigado pela avaliação sincera. Minha intenção era fazer mesmo uma cena teatral.
Peço desculpas pelo exagero, porque ele mede minha angústia por tanto descalabro no país. Não tem bastado o combate intermitente da polícia, nem os apelos sagrados das igrejas no combate ao crime, portanto algo está faltando, algo está errado. O apelo do texto é para dar outro enfoque, o da informação massiva, o investimento sem trégua na educação. Nas minhas buscas recentes, tenho visto na filosofia um viés importante nessa empreitada. Talvez, por ingenuidade minha, porque a dificuldade em melhorar o ser humano sempre existiu. Não é meu modesto texto que vai mudar a situação, mas a proposta é somar-me aos tantos que lutam por melhorias, como é o seu caso. É por esse motivo, o apelo.

Abs.