SEGUIDORES DE CAMINHADA

segunda-feira, 31 de maio de 2010

NASCER



Nasceu.
Os olhos se abriram para o mundo.
Outros olhos se fecharam para o mesmo mundo.
Alguns viram o rio.
Outros viram também peixes no rio.
Pedras também foram vistas por outros olhos.
Cada olhar conta uma história.
Cada história surpreende os ouvidos de quem ouve.
Todo ouvinte também olhou o mundo.
Há quem olhou, mas não viu.
Alguém não olhou, mas ouviu e sentiu.
Ouviu o som da cachoeira.
Sentiu o frescor da queda d’água.
Há quem olhou o rio e viu suas margens.
Onde olhou ainda tem árvores.
Ainda tem aves e pássaros.
Ainda tem vida.
Ainda tem nuvem no céu.
Há quem viu também, fumaça.
Há quem mais vê fumaça.
Alguém já viu um boi na TV.
Quem cortou uma árvore não sentiu sua falta.
Quem caçou um animal também não.
Também não sentiu quem desprezou seu irmão.
Mas é tudo porque olhou e não viu.
Se, viu, não sentiu.
Se, sentiu, não pensou.
Se não pensou, não viveu.

Evaldo de Paula Moreira
Poemas de Amor
Juiz de Fora, o6 de julho de 2008

Nenhum comentário: